16 outubro 2002

Candíncula... sim, eu acho que é Candíncula o nome dela. Ou pode ser qualquer outra coisa mais ou menos parecida, porque, no final das contas, não terá muita influência, mesmo, no desenrolar dos fatos. Pois, ela não domina muito destas coisas de internet, nem sabe se internet se escreve assim, com letra minúscula ou se é nome próprio, como gosta de falar na aula de Língua Portuguesa, e deve ser escrito com respeito, com "I" grandão. Candíncula, no final das contas, tem muito respeito, até porque não domina porra nenhuma disto, e sempre lhe disseram para respeitar quem não conhecesse, no entanto, isto não é importante para o desenrolar dos fatos, só que Candíncula quer ensinar os seus alunos do sertão a mexer um pouco nisto, também, tão excluídos eles já são, os pobres. Candíncula não tem muita certeza de por que motivo seu nome é este. Quando Candíncula nasceu, afinal, sua mãe já era morta. A infeliz de sua mãe morrera, por complicações, durante o parto, e seu pai, que filmava a tudo com uma câmera VHS emprestada pela secretaria da escola onde Candíncula, dezoite anos depois viria a dar aula, desesperou-se ao ver sua mulher morrendo enquanto sua filha nascia e acabou por se enforcar com a luva suja de sangue que o médico plantonista deixara sobre a bandeja metálica daquele móvel que deveria ser chamado de mesa cirúrgica. Como o médico achou que mais importante era que Candíncula nascesse bem, não se importou sobremaneira quando seu Ernesto Nazaré desabou pesadamente por sobre a maca mal ajambrada que servia como cama onde a mãe [falecida] de Candíncula jazia. Só o que o médico plantonista realmente lamentou foi que a câmera VHS que pertencia à pobre escola local [fruto de uma doação em uma campanha nacional que envolvia os mais belos poemas de amor com inspiração pessoana, e que acabou sendo ganho por uma indiazinha caigangue estudante da escolinha] despedaçou-se terrivelmente ao cair de encontro ao chão, desenrolando a fita que continha a filmagem do nascimento tão bonito da menina que viria a se chamar Candíncula e que ninguém mais veria porque o desequilibrado Ernesto Nazaré destruiu completamente com sua queda imbecil.