21 abril 2003

O APANHADOR NO CAMPO DE CENTEIOS DE SONHOS

Eu imaginei mais ou menos assim: Morgan Freeman, depois daquelas bobageiras com o Ben Affleck, cai em depressão por já não fazer porcaria nenhuma que prestasse desde Conduzindo Miss Daisy, se torna um alcóolatra, perde toda a sua fortuna em tempo recorde em jogatinas pelos bares de Massachussets, acaba mendigando pelas ruas de Los Angeles e é chutado por um impaciente Russel Crowe, que ainda grita: "Seu negro sujo, eu nunca gostei de você e da sua cara de areia mijada!". Corta para Thomas Jane (?), que não sabe qual posto lhe caberá na Hollywood rotuladora, e, se debatendo interiormente entre o vilão malvado (!) de Pecado Original e o bonitão legal de Tudo para Ficar com Ele, decide que seu negócio é fazer filmes sérios e profundos (!) e embarca, com Lawrence Kasdan em uma proposta irrecusável!!!

Jason Lee, que perdeu sua real identidade, sem saber o que será dele depois que empreitadas com Kevin Smith se tornaram objeto de culto de nerds americanos e irritado por sempre perguntarem se ele é parente de Stan Lee, pensa que já que antagonizar filmes com Tom Cruise não lhe renderam convites para se tornar galã em superproduções, vai apostar na sua verve aventuresca e apostar em filmecos que mais tarde serão sucesso no cine trash, em um país chamado Brasil, em uma emissora chamada Bandeirantes.

Lawrence Kasdan acha que é fodão e dá conta da adaptação de um livro de Stephen King. Este, por sua vez, está tão vesgo e torto depois daquele atropelamento, que concorda com qualquer coisa que fizerem de seus livros. Enquanto fuma um baseado com uma nota de cem dólares, concorda com o adiantamento de US$ 150.000.000,00 que a Castle Rock Entertainment lhe envia por Sedex e dá carta branca para Kasdan transformar seu romance em uma "onírica viagem onde seres intergalácticos e seus piores pesadelos interagem em busca de um sentido utópico dos conflitos humanos".

Lawrence Kasdan topa com Morgan Freeman lhe pedindo algum tostão pelas ruas de Los Angeles, pergunta o que faz por ali e lhe convida para estrelar uma superprodução. Morgan, sem esperanças e sem um puto no bolso, concorda com Kasdan desde que ele lhe pague um franguinho frito por que ele tá com uma fome do caralho. Thomas Jane é selecionado através de um teste de vídeo, Jason Lee foi indicado por Kevin Smith e Kasdan completa o elenco com mais alguns atores esquecidos e um débil mental que tem um papel "fundamental" no filme. As filmagens começam com todos ansiosos, mas Kasdan logo extrapola o orçamento do filme com o aluguel de equipamentos militares, como os helicópteros utilizados em Trovão Azul e cercas elétricas para os campos de detenção de vítimas alienígenas. Morgan Freeman, novamente assediado pela imprensa, exige um trailler luxuoso e até concorda com Lawrence Kasdan quando este lhe pede que corte o cabelo com um machado, para um ar mais militar. Fica um pouco irritado com as sobrancelhas do Seu Saraiva, que Kasdan exige, para um ar mais "malvado" para o personagem. Mas o que R$5 milhões a mais não pedem chorando, que Freeman não faça sorrindo?

Desesperado por que a Castle não quer mais liberar um vintém para o término das filmagens, Lawrence Kasdan vende o corpo e consegue a grana para finalizar sua obra-prima. Em breve poderá sentar de ladinho nos documentários da Fox e dizer o quão complexo foram os bastidores de "O Apanhador de Sonhos", mas como se sentia recompensado em honrar uma obra de Stephen King. Este, se mata depois de ver mais um livro seu transformado em bomba e é encontrado esmagado pelas pilhas de milhões de dólares que o soterraram. Freeman nega que o sujeito de sobrancelhas longas seja ele e Thomas Jane diz que "o filme nem é tão ruim assim!". Como Jason Lee morreu logo no começo e recebeu o pagamento em dia, não tem do que reclamar e segue em frente, fazendo O Império (Do Besteirol) Contra-Ataca (De Novo!) e vivendo feliz para sempre com Kevin Smith. Em pouco menos de vinte e cinco anos, todos esquecerão que se produziu tal sucesso de bilheteria, e o chefão da Rede Bandeirantes fica feliz por que comprou de pechincha os direitos para a veiculação no Cine Trash.