20 maio 2003

Deve ser massa ser deputado. Você ganha um ótimo salário, mais auxílio-moradia, auxílio-paletó, auxílio-pão, auxílio-amante, pode solicitar móveis do almoxarifado da câmara para mobiliar o apartamento que você alugou com os R$3 mil a que tem direito [além do salário], ou morar de graça nos apartamentos existentes para isto, e, o melhor, você pode ficar criando projetos extremamente imbecis. Como o de uma deputada que quer banir a sensualidade das propagandas de cerveja. É alguma história sobre a perniciosidade das gostosas que aparecem com suas gotinhas arrepiantes a escorrer pelas costas e a seduzir pobres tartarugas jogadoras de futebol. Parece que isto faz mal às crianças, expõe as pobres à quase pornografia e traz imoralidade ao lar brasileiro. Que as propagandas desta linhas têm se destacado pela imbecilidade e falta alguma de originalidade ao desfilar gostosas para os pançudos bebedores de cerveja pregarem os olhos na tela, não há dúvida. Qualidade ou não da publicidade, é outra história - e que pode gerar intensas discussões nas quais eu gostaria muito de me incluir. Agora, a idéia pode desbancar para a pura e simples colocação de executivos sensores nos departamentos de criação das agências, para ver se não haverá nenhum diretor de arte bobalhão que incluirá uma gostosinha de fio-dental no canto do cartaz da Brahma. Estupidez pouca é bobagem.