09 junho 2003

Este negócio de "ei, caríssimo leitor", para com o pessoal que passeia por estas paragens do Suburbana, sempre me pareceu meio nebuloso. Apesar de estar por aí, há tempos me aventurando pelos não-lugares da internet, é estranho como é estranho ouvir aqueles músicos que dizem que "esta é para você, mulher", pensar em me relacionar com quem está lendo isto aqui com a relação "de mim para você". Então, por isso vou colocando as coisas, na realidade, como gostaria de ler. Na verdade, esta é a relação que sustenta boas partes dos escritos, desde as resenhas mais torpes, até as incursões literárias mais profundas: quando escrevo é quase em um ato de egoísmo, pois [ainda que pareça profundamente óbvio!] escrevo aquilo o que gostaria de ler, ou o que sinto falta de encontrar por aí. Se resume neste caminho a tentativa de ser original, procurar por algo não feito, fazer a diferença. Todo este preâmbulo, na realidade, é para deixar claro que, apesar de já ser colunista do ExpressOpinião e do Cápsula Zine, vou ter mais um motivo para tentar me habituar com esta coisa de "de mim para você", agora, estreando oficialmente como colunista do Digestivo Cultural. É, depois daquelas colaborações, estou chegando na casa como colunista fixo. As minhas colunas serão atualizadas a cada quinze dias, sempre às terças, e amanhã começa a panacéia toda. Por enquanto tão rolando, além dos textos de outrora, uma apresentação - pequena formalidade para dizer, afinal, qual a minha utilidade por ali.