30 junho 2003

Quando, afinal, irão terminar os debates prolongados e profundos sobre o tal escritor-blogueiro? O jornalismo cultural de internet está girando em cima de um mesmo eixo: basta sair um livro de alguém que não está inserido no mercado de forma industrial, ou lançando um livro em tiragem reduzida, por alguma editora pequena, ou simplesmente que mantém um blog, que começam os infindáveis debates a respeito do papel do escritor nos dias atuais com o advento da web. Agora, mais uma vez, tendo saído outro livro da Carah Averbuck [uma coletânea das coisas que ela têm escrito no seu blog brazileira!preta], e até mesmo Paulo Roberto Pires se põe a dissecar este "fenômeno" que são os chamados "escritores de blog" [a eterna necessidade de rotulação da mídia].

Realmente, eu não acredito que queiram, realmente, ainda, falar a respeito. Deve ser falta de pauta. O que há de tão complicado, assim? Que insondáveis e misteriosos são estes seres blogueiros? Estarão eles, construindo os alicerces de uma nova manifestação comunicacional e revolucionando a cultura com sua forma de publicação na qual são os produtores - portanto, donos - do processo?

Parece um assombro de vó que abre a porta do quarto da neta e a surpreende transando com o namorado. Não há surpresas nem debates sem fim, nem teses de mestrado, nem embasamento para aprofundados estudos lingüísticos. Procurem coisas novas e parem de confundir blogueiros com escritores, pelo amor dos meus filhinhos!