21 janeiro 2004

As identificações são algo de um insondável mistério. A cada vez que vejo que algum blog novo me linkou, dou um pulo até ele a fim de catar o porquê de ter sido linkado. Não, isto não cheira a falsa modéstia, não. É curiosidade mesmo. Gosto de saber por que a pessoa que, por acaso me lê [por acaso?], e tem um blog, chega a tal ponto de identificação para me conceder a honra de ter um link de sua casa para a minha.

E o processo quase sempre bate. Com uma única exceção, talvez, de um cara que me linkou na sua sessão blogs maconhistas, sem que eu tivesse a mínima noção do porquê de ter merecido tal "honraria", todos os outros vizinhos-ermãos deste universo circundante que é a internet, possuem algo, nem que muito distante, capaz de nos identificar.

Um gosto por uma obra que acabou sendo resenhada, filme, livro, comentário tôsco, mentiras despropositadas, ficção agonizante, não importa. Uma linha tênue nos une. E identifica. E faz com que rume até seu template e coloque lá o codigozinho que os traz [e a outros] até aqui: a href="http://suburbana...".

Insondável mundo das identificações.