25 fevereiro 2004

A Rede Globo engendrou um interessante jogo de relatividade nesta novela. Como? Ora, no momento em que a própria novela toma para si a missão de “mostrar” a indústria das celebridades, da busca de sucesso desmedido a qualquer preço, não está fazendo mais do que antecipar-se a um assunto que era objeto de estudo não de uma indústria do entretenimento, mas de pesquisas sociológicas e quetais. Tomar para si mesma a possibilidade de cair em cima de um fato que é notório que é produzida pela própria, que é todo o mundo superficial e de vaidade desmedida que cerca a produção de celebridades, é tornar o assunto esgotado e enfadonho para análises mais aprofundadas. Ou seja, é tornar tal fato desgastante, algo corriqueiro, minimizá-lo para a esfera do cotidiano, para que passe [ainda mais] a não ser visto com a peculiaridade devida, mas como mais uma obra ficcional devidamente produzida e regurgitada pela gigante do entretenimento televisivo no Brasil, e uma das maiores do mundo. [+]