06 abril 2004

Quer ser meu amigo?

E, então, o lance do momento é o tal de Orkut. Tinha o nome na cabeça mais ou menos daquela mesma maneira que um monte de nomes passam a se tornar referência para você, embora não saibas bem onde os escutou. Na verdade, havia passado os olhos sobre o nome em um e outro blog por aí. Não me aprofundei. Até receber "aquele" e-mailzito: Fulano [fulanoa@fulano.com] invites you to join his network of personal friends at orkut.com. Uma variável sofisticada para quer ser meu amigo? [e fazer parte de minha rede de amigos pessoais]? Como não tinha toda a noção do lance, dei uma pesquisada amiga, para, afinal, saber no quê estava me metendo. Fora o fato de que você só entra se for convidado, o que dá um gostinho de "seita secreta" pro lance, o tal de Orkut não é nenhum bicho de sete cabeças. Praticamente uma expansão, quase um resumo de tudo o que tem se visto na internet em matéria de agregação de comunidades. Comunidade, afinal, é o lance. Quando você entra, além de ter de responder uma série de perguntas muito esmiuçadas [que você escolhe conforme sua disposição em aprofundar o preenchimento dos seus dados], em breve vai se dar conta das milhares de comunidades existentes, aos quais os seus amigos da rede pertencem, ou que você mesmo pode criar. Os reconhecimentos por gostos compartilhados é que passam a dar a tônica a partir de então. Fora as discussões, como os velhos fóruns, a que se pode dar início.

Lógico que o buraco, no entanto, é mais embaixo. Como é um projeto [ainda em fase de experimentação] criado pelo Google, se trata na realidade de um agregador de informações personalíssimas que terá, obviamente, fins comerciais. Com as informações disponíveis ali, será cada vez mais fácil personalizar estratégias as mais complexas de marketing. Também é interessante estar atento para um pequeno item estipulado nas condições de filiação:

Ao submeter, postar ou mostrar quaisquer materiais no ou através do serviço orkut.com, você automaticamente nos dá direitos mundiais, não-exclusivos, sublicenciáveis, transferíveis, sem royalties, perpétuos e irrevogáveis, para copiar, distribuir, criar trabalhos derivativos ou executar e exibir publicamente tais materiais.

Condição que outros programas que envolvem mensagens já haviam incorporado, embora alguns tenham tido que alterar tal cláusula devido a reclamação de usuários.

Como a coisa é verdadeiramente uma rede, em breve você poderá estar agregando entre os seus amigos, os amigos dos seus amigos, e sendo convidado por pessoas que você nem conhece para se tornar o seu amigo. E você ainda pode virar dos seus amigos. E seus amigos podem se tornar seus fãs!! São verdadeiras provas de fraternidade: amigos dando testemunho ao seu respeito, fotinhas que são postadas, mensagens trocadas com facilidade, propostas de amor aos quatro ventos! Fora que desde os mais singelos convites de alguma empreitada, até os mais audaciosos projetos de dominação universal podem ser concatenados com um clique, a que se pode convidar milhares de pessoas para participar. Uma pergunta do Tony Monti, da comunidade Paralelos da qual faço parte, ilustra o que, afinal, pode ser tudo isto:

Para que serve o Orkut? - Tony Monti
Vamos ver se eu entendi. Quando você tem um blog, você faz tudo para o blog ter mais acessos, passa o dia inventando coisas para seu blog ficar interessante e aí dá um sentido para sua vida. Como ocupa o tempo com isso e perde o tempo das outras coisas, a vida fica sem sentido. Aí você escreve mais no blog. No orkut, o que você quer não são os acessos, mas amigos. Quem tem mais amigos é mais feliz. Aí você dá um sentido pra sua vida. A internet é fascinante assim?