07 maio 2004

(e existe o momento em que você, e não se não tem total certeza de quando exatamente acontece, simplesmente olha para frente e começa a mirar diretamente o sol. Mas ele não lhe dói na retina. Brando por que atrás das gotículas da chuva - sim, eu esqueci de dizer que chove - ele compõe simplesmente um complemento luminoso que parece se expandir pelo bater dos teus cílios. Todas as pessoas à tua volta estão abrigadas em guarda-chuvas incrivelmente burocráticos, a chuva não é tamanha para que se necessite de abrigo, mas você caminha tranqüilo e é neste momento - que não te surge com exatidão - que você se sente feliz. À tua volta, somente a pressa, na tua frente o sol a te dar o caminho luminoso e, mais ainda à tua frente, tudo o que ainda tem por vir.)