25 maio 2004

Ele vinha batucando no chapéu um destes antigos sambinhas de roda. Fez um misânscene ajoelhando-se somente até onde não pudesse tocar sua calça branca no chão sujo da Borges. Me espantei com sua flexibilidade. O dono da livraria estranhou o meu arremedo de turista-querendo-sambar-em-visita-no-morro, mas não podia deixar seu Cleto dançando sozinho. A verdade é que sem o terno branco e o chapéu panamá eu não constituia uma das visões mais felizes de se ter à beira da morte. É o que deve ter pensado o gordo que se distraiu com o meu gingado e acabou embaixo do Linha 37 que passava à milhão.