07 junho 2004

A DESTEMIDA ZERO KELVIN

Os amigos de fé, mesmo, estavam todos lá. Bem, quase todos. Nunca se espera, na realidade, que estejam todos presentes, ainda mais quando o lance não é dos mais confirmados. Quase um experimentalismo, eu diria. Eu falaria em pioneirismo, até, ainda que isto soasse heróico demais. Mas é a real. Fomos os pioneiros do tal projeto Max Sessions, uma cachaça promovida por um estúdio localizado nos arrabaldes da Santos Dumont. Neste sábado protagonizamos um show dentro de um estúdio, com câmeras que transmitiam imagens para monitores do lado de fora. Nós quem? Zero Kelvin, a banda mais inconstante de Porto Alegre, onde desempenho a função de cantador. Erros à parte, muito nervosismo, mas o clima de descontração permaneceu. Nada de palcos, groupies enlouquecidas à nossos pés. Só os camaradas. Os velhos camaradas. E as pessoas passando por entre os fios, o criador do projeto falando "toca mais uma", a banda entrando em conflito sobre que música tocar [já que o nosso repertório de dez músicas ensaiadas havia se esgotado!]. Enfim, estas coisas. Funk, rock e outras mumunhas mais.