30 dezembro 2004

Penúltimo dia do ano.

Chegou o maravilhoso período de ler crônicas lhe dizendo como viver no ano que vem. Se divertir com textos do tipo filtro solar lhe estimulando a ter rompantes de "criatividade" e fazer todas aquelas coisas fabulosas que você nunca pensou em fazer mas que, se fizer, lhe dará um significante acréscimo de emoção em vida. Pular de pára-quedas pelado com um alvo vermelho pintado na bunda, dançar um chá-chá-chá com uma velha perneta no asilo mais próximo, servir um banquete de ostras e pato recheado para os mendigos que estão embaixo da marquise da loja em frente, escrever "eu te amo" com pasta de dente no seu peito e constranger sua namorada no meio da sua aula na universidade. Não importa. Quanto mais "ousada" for a ação a que você se propõe para o ano que vem, mais ganho e "plus a mais" você terá.

Senão, vejamos: "Compre uma roupa vermelha, alugue uma moto por um dia, ligue para alguém e declare-se apaixonado, mergulhe na obra de Shakespeare, pegue um ônibus e desça na última parada, compre um disco de um cantor que nunca ouviu falar, comece a praticar ioga, doe metade dos seus livros, faça uma tatuagem. Porque sim."

Não são muitas as opções. Também não é difícil descobrir. A dica: é gaúcha.