26 dezembro 2007

Pós-Natal

Os poucos resquícios de sentimento natalino que ainda me restam se vão abaixo conforme me vejo obrigado a participar dos festejos comerciais que imperam nesta data. Me irrita sobremaneira a correria desenfreada de consumo que atinge a todos, fazendo com que os shoppings center se transformem em templos de zumbis enlouquecidos em entregar seu dinheiro em troca de mercadoria. Mas me irrita ainda mais ter que ser partícipe deste processo - eu seria um cínico se dissesse que não -, por mais que quisesse me manter alheio à isto. No entanto, é aquela coisa: se eu ainda quero manter alguma sombra de vida social, me vejo obrigado a ceder aos procedimentos típicos desta época, porque não há a menor maneira de ir à casa de alguém, como convidado, e não ter que chegar repleto de presentes; há ainda a sua mãe e seu pai e todos os seus parentes, que você não vê há tempos e se sente coagido a "compensar" esta ausência através do quê? Mercadorias, é claro. Sim, eu sei que este parece um post politicamente correto de quem quer discutir a ausência da real fraternidade e desejo de bons sentimentos, tão somente, em uma comemoração que deveria evocar somente sentimentos cristãos. Buenas, é como me sinto, no entanto. E escapar da melancolia natalina parece ser outra missão cada vez mais complicada.

Penso seriamente em ficar trancado no apartamento no próximo ano, recluso como um velho ancião em sua caverna.