21 dezembro 2008

Assim

Num dia quente pra caralho, suarentos copos ostentam o que já foi refresco, cerveja ou outra coisa gelada qualquer. E neste dia quente, o ventilador, cumpridor, segue imbatível na sua monótona missão de fazer menos insuportável as horas que completam o dia. Num dia quente, tão terrivelmente quente como hoje, sair à rua e notar o sol que consegue refletir-se até no concreto da calçada traz uma modorra quase insuportável, um sentimento de não estar de todo. E, quando se está, de não querer estar ali - e de torcer para que o dia acabe, tão somente. Tão pouco desejado é um dia insuportavelmente quente, como hoje. Em um dia quente assim, os pensamentos rumam para uma praia idealizada, um recanto paradisíaco qualquer que é longe demais de tudo o que está aqui, ao nosso alcance e para nosso alívio. Em um dia quente, tão estupidamente quente como hoje, até este recanto paradisíaco, quando alcançado, não será a resposta para as expectativas altas demais que um dia quente é capaz de gerar. Nenhum paraíso refrescante é refrescante o suficiente em um dia tão terrivelmente quente como hoje.