30 janeiro 2011

Por que ler Ali Smith?

- É contemporânea, um tantinho experimental,  sem ser "performática".
- É lírica sem ser enfadonha ou piegas.
- Em Por acaso  [Companhia das Letras, 2006], se utiliza de uma premissa argumentativa já clássica (vide Teorema e outros) - da estranha que se infiltra em uma família, e, aos poucos, ganha a confiança de todos, inflando sentimentos díspares - mas consegue um resultado original.
- Alterna pontos de vistas com maestria.
- Constrói vozes infantis e adolescentes com verossimilhança admirável.
- É engraçada sem ser engraçadinha.
- Narra uma história fascinante em conteúdo e forma.
- Encanta o leitor sofisticado, que se extasia com seu domínio estilístico, suas proezas formais e ousadia na medida certa e, com certeza, faz sucesso para o leitor interessado em uma boa e lógica história, com começo, meio e fim.
- Criou a personagem pré-adolescente mais irritante, adorável e crível dos últimos tempos: Astrid.
- Narra em 329 páginas que você não quer que acabe.